Preciosidades

segunda-feira, 29 de julho de 2013

Francisco "Pancho" Ramírez - 1786 - 1821


Francisco "Pancho" Ramírez (n. Concepción del Uruguay hoy Entre Ríos, Virreinato del Río de la Plata, 13 de marzo de 1786 – † Chañar Viejo, cerca de Villa de María del Río Seco, Córdoba, Argentina, 10 de julio de 1821), conocido como el Supremo Entrerriano, fue un caudillo federal argentino, uno de los líderes de la provincia de Entre Ríos durante los años de formación de la República Argentina, creando la República de Entre Ríos. Formó parte del partido artiguista, liderado por el oriental José Gervasio Artigas, a quien luego enfrentó hasta derrotarlo, obligándolo a exiliarse. Poco después perdió la vida en un encuentro con las fuerzas de quien anteriormente había sido su aliado, Estanislao López.  (Fonte - Wikipédia)

quarta-feira, 3 de julho de 2013

Sexo e sujeira no elevador

Amiga:

Conforme minha promessa, estou enviando um e-mail contando as novidades da minha primeira semana depois de ser transferida pela firma para o Rio de Janeiro. Terminei hoje de arrumar as coisas no meu novo apartamento. Ficou uma gracinha, mas estou exausta. São dez da noite e já estou pregada.

Segunda-Feira:
Cheguei na firma e já adorei. Entrei no elevador quase no mesmo instante que o homem mais lindo desse planeta. Ele é loiro, tem olhos verdes e o corpo musculoso parece querer arrebentar o terno. Lindooooo!
Estou apaixonada. Olhei disfarçadamente a hora no meu relógio de pulso e fiz uma promessa de estar parada defronte ao elevador todos os dias a essa mesma hora. Ele desceu no andar da engenharia. Conheci o pessoal do setor, todos foram atenciosos comigo. Até o meu chefe foi super delicado. Estou maravilhada com essa cidade. Cheguei em casa e comi comida enlatada. Amanhã vou a um mercado comprar alguma coisa.

Terça-Feira:
Amiga! Precisava contar. Sabe aquele homem de quem falei? Ele olhou para mim e sorriu quando entramos no elevador. Fiquei sem ação e baixei a cabeça. Como sou burra! Passei o dia no trabalho pensando que preciso fazer um regime. Me olhei no espelho hoje de manhã e estou com uma barriguinha indiscreta. Fui no mercado e só comprei coisinhas leves: biscoitos, legumes e chás. Resolvido! Estou de dieta.

Quarta-Feira:
Acordei com dor-de-cabeça. Acho que foi a folha de alface ou o biscoito do jantar. Preciso manter-me firme na dieta. Quero emagrecer dois quilos até o fim-de-semana. Ah! O nome dele é Marcelo. Ouvi um amigo dele falando com ele no elevador. E ainda tem mais: ele desmanchou o noivado há dois meses e está sozinho. Consegui sorrir para ele quando entrou no elevador e me cumprimentou. Estou progredindo, né? Como faço para me insinuar sem parecer vulgar? Comprei um vestido dois números menor que o meu. Será a minha meta.

Quinta-Feira:
O Marcelo me cumprimentou ao entrar no elevador. Seu sorriso iluminou tudo! Ele me perguntou se eu era a arquiteta que viera transferida de Brasília e eu só fiz: "U-hum"... Ele me perguntou se eu estava gostando do Rio e eu disse: "U-hum". Aí ele perguntou se eu já havia estado antes aqui e eu disse: "U-hum". Então ele perguntou se eu só sabia falar "U-hum" e eu respondi: "Ã-hã". Será que fui muito evasiva? Será que eu deveria ter falado um pouco mais? Ai, amiga! Estou tão apaixonada! Estou resolvida! Amanhã vou perguntar se ele não gostaria de me mostrar o Rio de Janeiro no final de semana. Quanto ao resto, bem... ando com muita enxaqueca. Acho que vou quebrar meu regime hoje. Estou fazendo uma sopa de legumes. Espero que não me engorde demais.

Sexta-Feira:
Amiga! Estou arruinada! Ontem à noite não resisti e me empanturrei. Coloquei bastante batata-doce na sopa, além de couve, repolho e beterraba. Menina, saí de casa que parecia um caminhão de lixo. Como eu peidava! (nossa! Você não imagina a minha vergonha de contar isto, mas se eu não desabafar, vou me jogar pela janela!). No metrô, durante o trajeto para o trabalho, bastava um solavanco para eu soltar um futum que nem eu mesma suportava. Teve um momento em que alguém dentro do trem gritou:
"Aí! Peidar até pode, mas jogar merda em pó dentro do vagão é muita sacanagem!"

Uma senhora gorda foi responsabilizada. Todo mundo olhava para ela, tadinha. Ela ficou vermelha, ficou amarela, e eu aproveitava cada mudança de cor para soltar outro. O meu maior medo era prender e sair um barulhento. Eu estava morta de vergonha. Desci na estação e parei atrás de uma moça com um bebê no colo, enquanto aguardava minha vez de sair pela roleta. Aproveitei e soltei mais um. O senhor que estava na frente da mulher com o bebê virou-se para ela e disse:
"Dona! É melhor a senhora jogar esse bebê fora porque ele está estragado!".

Na entrada do prédio onde trabalho tem uma senhora que vende bolinhos, café, queijo, essas coisas de camelô. Pois eu ia passando e um freguês começou a cheirar um pastel, justo na hora em que o futum se espalhou. O sujeito jogou o pastel no lixo e reclamou:
"Pô, dona Maria! Esse pastel tá bichado!"

Entrei no prédio resolvida a subir os dezesseis degraus pela escada. Meu azar foi que o Marcelo ficou segurando a porta, esperando que eu entrasse. Como não me decidia, ele me puxou pelo braço e apertou o botão do meu andar. Já no terceiro andar ficamos sozinhos. Cheguei a me sentir aliviada, pois assim a viagem terminaria mais rápido. Pensei rápido demais. O elevador deu um solavanco e as luzes se apagaram. Quase instantaneamente a iluminação de emergência acendeu. Marcelo sorriu (ai, aquele sorriso...) e disse que era a bruxa da sexta-feira. Era assim mesmo, logo a luz voltaria, não precisava se preocupar. Mal sabia ele que eu estava mesmo preocupada.

Amiga, juro que tentei prender. Mas antes que saísse com estrondo, deixei escapar. Abaixei e fiquei respirando rápido, tentando aspirar o máximo possível, como se estivesse me sentindo mal, com falta de ar. Já se imaginou numa situação dessas? Peidar e ficar tentando aspirar o peido para que o homem mais lindo do mundo não perceba que você peidou? Ele ficou muito preocupado comigo e, se percebeu o mau cheiro, não o demonstrou. Quando achei que a catinga havia passado, voltei a respirar normal. Disse para ele que eu era claustrófoba.

Mal ele me ajudou a levantar, eu não consegui prender o segundo, que saiu ainda pior que o anterior. O coitado dessa vez ficou meio azulado, mas ainda não disse nada. Abaixei novamente e fiquei respirando rápido de novo, como uma mulher em estado de parto. Dessa vez Marcelo ficou afastado, no canto mais distante de mim no elevador. Na ânsia de disfarçar, fiquei olhando para a sola dos meus sapatos, como se estivesse buscando a origem daquele fedor horroroso. Ele ficou lá, no canto, impávido. Nem bem o cheiro se esvaiu e veio outro.

Ele se desesperou e começou a apertar a campainha de emergência. Coitado! Ele esmurrou a porta, gritou, esperneou, e eu lá, na respiração cachorrinho. Quando a catinga dissipou, ele se acalmou. As lágrimas começaram a escorrer pelos meus olhos. Ele me viu chorando, enxugou meus olhos e disse:
"Meus olhos também estão ardendo..."

Eu juro que pensei que ele fosse dizer algo bonito. Aquilo me magoou profundamente. Pensei: "Ah, é, FDP? Então acabou a respiração cachorrinho..."

Depois disso, no primeiro peido ele cobriu o rosto com o paletó. No segundo, enrolou a cabeça. No terceiro, prendeu a respiração, no quarto, ele ficou roxo. No quinto, me sacudiu pelos braços e berrou: "Mulher! Pára de se cagar!". Depois disso ele só chorava. Chorou como um bebê até sermos resgatados, quatro horas depois. Entrei no escritório e pedi minha transferência para outro lugar, de preferência outro País. Apague este e-mail depois de ler, tá?

Sua amiga, Ana. (... juro que não escrevi isso!)

P.S.: Este texto me veio por e-mail, foi publicado (não sei por quê) num site de conto erótico. O autor me é desconhecido (quem souber pode me comunicar que darei os créditos). É um exemplo da “genialidade” dos brasileiros, muitos são escritores inatos esperando por serem reconhecidos pelas Editoras que só pensam em vender, principalmente, “auto-ajuda”, “esoterismo” e “livros psico-grafados”, argh!!.

quinta-feira, 27 de junho de 2013

Km 666 da BR-282: um grande mistério.



placa de sinalização - Km 666
Onde estão as placas do Km 666 da BR-282? Ou deveria perguntar: quem estará sumindo com as placas de sinalização do Km 666, da BR-282? 

São poucas as rodovias no mundo que superam 600 km de extensão e, para quem não sabe, a BR-282 é a rodovia que corta, de leste a oeste, o Estado de Santa Catarina. Tem seu início, o Km 1, na capital, em Florianópolis; e atinge seu limite, no Km 670, na cidade de Paraíso, no extremo-oeste do Estado, município que faz divisa com a Argentina. O Km 666 da rodovia fica a 4 km do trevo de entrada da cidade de Paraíso, no entanto não há mais placa indicativa, apenas um suporte de madeira encravado na terra. Soube que, por mais de três vezes, o DNER recolocou a placa indicativa do referido quilômetro e todas as placas sumiram. Há um mistério envolvendo este sumiço repetitivo.

Algumas pessoas da cidade de Paraíso dizem que é coisa de “gente crente que tem medo do Tinhoso” (sic); outros, mais temerosos ainda, não descartam a possibilidade de ser coisa de alguma “seita secreta de adoradores do demônio”. Para quem não sabe, o n° 666 é considerado, por muitos estudiosos, como sendo o número da Besta, do Mal, do Demônio, Belzebu, ou outros sinônimos menos populares. Eu estive no local e constatei que, curiosamente, não há moradores nas margens do Km 666 da BR-282, apenas mata, campo de pastagem, e um trecho onde uma enorme pedreira teve que ser aberta para a passagem da rodovia. Estranhamente, quase encostado ao que sobrou da placa, sobre um enorme potreiro, havia umas duas dezenas de vacas, todas da raça Jersey, pastando e nenhuma com chifres. Observei que há dois moradores no extremo do Km 665 e um rio separa o Km 666 do Km 667. 

O trecho da rodovia BR-282 que vai do município de São Miguel do Oeste a Paraíso foi asfaltado há uns quatro anos, e é muito pouco movimentado, pois o tráfego vindo da Argentina ainda é, na sua quase totalidade, em Dionísio Cerqueira, cidade distante 60 km do local. Em conversa com um funcionário da Prefeitura do Município de Paraíso, que não quis se identificar, logicamente, ele disse que tem interesse político no caso, pois ninguém quer que o “Km 666” vire uma espécie de “Ponto Turístico”, além do que, concluiu, o referido quilômetro nada tem a ver com o nome da cidade (sic). Um policial militar, que faz a segurança da cidade, que é um município pacato e com pouco mais de 4 mil habitantes, disse que seria coisa de “vândalos” (sic), mas não descartou a possibilidade de ser de algum “arruaceiro argentino” (sic). E o caso ainda intriga os moradores e muitos usuários da rodovia.

traffic sign - Km 666
Por fim, sobre o sumiço das placas do Km 666, o escritor suíço, Erich Von Däniken, muito provavelmente, se questionaria: “não teriam sido os deuses astronautas?”; e Judas (aquele da Bíblia, mesmo), se não tivesse se enforcado, com certeza perguntaria: “acaso, seré yo, Señor?”. O DNER, extra-oficialmente, desistiu de repor as placas, mas o mistério ainda permanece e faço minhas as palavras do famoso payador gaúcho, Jayme Caetano Braun: “sou crente na divindade/ morro quando Deus quiser... em bruxas não acredito, pero que las hay, las hay”. E, para encerrar, é claro que, se as placas, ao invés de sumirem de repente, da noite para o dia, como tem acontecido, ficassem como esta placa, em cores vermelha, preta e amarela; ficaria muito preocupado, e, provavelmente, diria que há algum torcedor do Sport Recife envolvido.

quarta-feira, 27 de fevereiro de 2013

A arte sob a ótica do artista.



A arte nunca esteve tão em voga como agora. A artes plásticas saíram do restrito e elitizado mundo da decoração e foram estampar revistas de moda, de arquitetura, de literatura, de história, nas novelas, nos documentários, nas redes sociais, nos blogues, nos jornais. A arte nunca esteve tão popular entre todas as camadas da sociedade. Tornou-se acessível e diversificada. No Brasil, principalmente em razão da estabilidade econômica e do aumento do poder aquisitivo das classes média e mais baixas, nunca antes se falou tanto e se produziu tanta arte. As universidades disponibilizaram mais cursos ligados às artes plásticas e visuais, e, em quase todas as cidades do país, popularizaram-se as escolinhas de arte e, com isso, novos artistas. É a democracia chegando nas artes. 


Os anos que estão por vir serão decisivos para fazer, de forma natural, uma espécie de seleção dos artistas e suas produções, sejam eles tradicionais ou de vanguarda, de formação ou autodidatas, copistas ou criadores. Democracia é isso e a própria sociedade passa por fases que irão se sucedendo até se atingir um estágio mais “evoluído”, no qual será possível distinguir níveis de profissionais e de produções artísticas. Pela primeira vez na história temos obras de artistas vivos que ultrapassaram cifras milionárias (Damien Hirst - 1965), e, da mesma forma, temos artistas brasileiros vivos reconhecidos pelo grande público e renomados mundialmente, tais como Romero Britto (1963), Juarez Machado (1941), Vik Muniz (1961) e outros. 


Ao adquirir uma obra de arte, há quem se contente, simplificadamente, com seu efeito estético primeiro: “gostei!” ou “é bem como eu gosto!”.  Outros, como eu, têm uma forma mais complexa de enquadrar obras de arte no seu gosto particular. As obras de arte, particularmente falando, devem ser vistas sob parâmetros diferenciados, seja por estilo e ou técnica, para que não se cometam injustiças. Uma natureza-morta, um casario, uma marina, um retrato, uma paisagem, cada obra deve ser vista e analisada por suas características, muito particularmente, sem confusão temática ou estilística. Igualmente ao se analisar uma aquarela, um desenho a carvão, ou bico-de-pena, uma acrílica ou óleo sobre tela, temos que ter em mente que técnica foi utilizada e suas especificidades. E, quando se fala em figurativo, abstrato ou concreto, linguagem tradicional ou contemporânea, temos que ter um cuidado ainda maior, para evitar simplificações e comparações injustas. Isso sem falar na confusão que se faz com “arte moderna”, que já se vem produzindo há mais de 100 anos, com “arte contemporânea”, que é a “moderna” dos dias atuais. E, por fim, a tão famosa frase que põe por terra as críticas mais contundentes sobre arte: “gosto não se discute!”.


Tanto nas faculdades de artes plásticas, como nas mais simples, inocentes e terapêuticas escolinhas de artes, o ponto crucial do ensino e da aprendizagem, e que, a meu ver, precisa ser analisado e discutido com mais carinho pelos profissionais da área, é o “processo criativo”. Pecam as faculdades de artes ao se intensificar a parte teórica em detrimento da prática, sobrevalorizando modismos; e também as escolinhas de arte, ao supervalorizarem o processo da reprodução, quando o ato de copiar uma obra de mero exercício passa a ser uma regra e um fim em si mesmo. Copiar está na contramão da criação, castrando idéias ou suprimindo o talento natural e ou experiência pura e espontânea que, muitas vezes, os alunos já trazem consigo. As idéias dos outros devem servir apenas como estímulo e inspiração para que outros artistas possam criar algo novo, genuíno, com traços e características que os distingam dos demais.


Em se tratando de “Artes Plásticas”, há um fator preponderante e que a maioria esmagadora da sociedade tem enraizado nos seus parâmetros de preferência: o efeito estético. A maioria das pessoas, por mais humildes que sejam, ainda têm o desejo de ter uma sala confortável, luxuosa ou nem tanto, com uma obra de arte na parede. E é óbvio que esta obra de arte tem que lhes ser agradável e estar no gosto do proprietário. Estou falando de obras de arte com “valor comercial”, aquela que qualquer pessoa gostaria de possuir e ter em sua casa como um objeto decorativo. Aquela obra que será assunto de uma visita, na qual se poderá falar sobre a obra, sobre o artista e os pormenores de como foi produzida ou adquirida. 


Existe uma frase do célebre escritor russo Léon de Tolstoi, que serve como reflexão para todo o tipo de arte: “se queres ser universal, começa a pintar tua aldeia”. Da mesma forma que os artistas deveriam começar retratando ou se utilizando de temas que lhe são cotidianos; as pessoas, também, deveriam dar mais valor às coisas locais e aos artistas locais e que lhes estão mais ao alcance. As obras dos artistas locais são sempre mais acessíveis, o que não significa que sejam “menores” ou “inferiores”, e, na maioria das vezes, é bem ao contrário. O valor de uma obra de arte, primeiramente, está proporcional ao currículo do artista, ao valor que a assinatura do artista dá à obra. A fama do artista e a valorização de suas obras não acontecem da noite para o dia. Basta ler a biografia dos grandes artistas e se comprovará que é uma longa e árdua jornada. Por isso, bom senso é dar valor aos artistas locais e da sua região, cujas obras não ultrapassam R$500,00 (quinhentos reais), e podem ser até parcelados; e, o mais importante, são obras originais e “únicas”. Com obras de artistas locais não se corre o risco e o desconforto de se ter uma “cópia”.


Em São Miguel do Oeste, além das várias escolas de arte e do curso de Artes Visuais da UNOESC, há o ateliê da artista plástica Áurea Seganfredo. Uma artista com mais de 30 anos de profissão e que produz obras originais, em diversos estilos e técnicas, além de obras sobre encomenda. Uma artista experiente, cujos trabalhos são reconhecidamente valorizados e bem recebidos pelo público da região. Conheci a artista há alguns anos e, desde então, tenho acompanhado suas produções e sua história, nas quais eu observei, desde o primeiro olhar, um traço genuíno que lhe é característico, além da segurança com que alterna estilos em seu trabalho. A artista tem preferência pela pintura a óleo e pelo uso da tela, tem seu nome já popularmente reconhecido na cidade e algumas de suas obras já foram vendidas até para turistas de outros países. Já fez algumas exposições individuais e dá aulas particulares de arte em tela no seu atual endereço. 


Outro artista regional, cujo talento excepcional já é uma unanimidade entre o público, é o português José Augusto Costa Araújo. Radicado há 8 anos em Dionísio Cerqueira, Costa Araújo é um artista de carreira e um profissional das artes há mais de 40 anos. Eclético, versátil e de produção prolífica, o artista produz arte como quem fala, em quantidade, com uma segurança e facilidade impressionantes. Ao som de muita música, principalmente fado, na voz da famosa Amália Rodrigues, a criatividade de Costa Araújo está sempre me surpreendendo. Em minhas visitas periódicas em seu ateliê, sempre me deparo com criações fantásticas, únicas, incomuns. Costa Araújo tem preferência pela pintura com tinta acrílica; e pinta sobre tela, papel, cartão e tem uma mão fabulosa para a aquarela, cuja técnica sou fã incondicional. Já participou de diversas exposições individuais e coletivas, no Brasil e no exterior. Recentemente, expôs juntamente comigo 27 trabalhos no espaço multiúso do SESC; e está produzindo, além das telas tradicionais, desenhos em bico-de-pena, na série cuja temática retrata os colonizadores do extremo oeste catarinense: os gaúchos. 


Para saber mais, acesse:

http://costaaraujo.blogspot.com.br/

Costa Araújo - desenho em bico-de-pena - 2013 -  O gaiteiro
Áurea Seganfredo - óleo sobre tela - 120x70 cm - 2012
Ramiro R. Batista - Arte Generativa - A1 - 2013

terça-feira, 15 de janeiro de 2013

Exposição de Arte: Costa Araújo e Ramiro R. Batista


A FINE-ART Blog e o SESC começam o ano de 2013 em grande estilo, trazendo para São Miguel do Oeste a Exposição “Figura: a arte e a técnica”. Uma exposição ampla, composta de 25 obras, em estilos e técnicas diversificados. Os artistas, Costa Araújo e Ramiro R. Batista se uniram para levar ao público da região obras que exploram a figura na arte em vários aspectos. Os artistas, amigos de vários anos, irão expor cada qual 12 obras individuais, mais uma produzida em conjunto. Cada artista, ao seu próprio estilo, produz telas que variam em técnica, matéria prima utilizada, processo e acabamento. Costa Araújo (65) é um artista português de larga experiência, tendo feito exposições em três continentes: África, Europa e Brasil. Natural de Braga, Portugal, Costa Araújo começou sua carreira em Luanda, Angola, ainda jovem; em 1976, retornou a Portugal e, nos anos 80, veio ao Brasil, ficando por mais de 10 anos em Recife. E, desde 2006, Costa Araújo reside em Dionísio Cerqueira, onde fez uma exposição em 2010. Tendo mais de 40 anos de profissão, Costa Araújo domina as técnicas artísticas como poucos, e é isso que desperta a curiosidade e a atenção para a sua obra. Ramiro R. Batista (48) é um artista autodidata migueloestino, cuja paixão pela cultura o transformou num profundo conhecedor de arte, estilos e  técnicas. Ramiro já participou de três exposições coletivas em 2012, todas promovidas pelo SESC, produzindo obras inovadoras que agradaram o público e a crítica. Nesta exposição conjunta, Costa Araújo e Ramiro R. Batista fazem um paralelo entre a arte tradicional e a de vanguarda, contrastando estilos contemporâneos. A exposição terá sua abertura no dia 23 de janeiro, quarta-feira, às 20 horas, no Espaço Multiúso do SESC de São Miguel do Oeste, e se estenderá até 20 de fevereiro de 2013. Além das 25 obras expostas, a maioria delas estará à venda, os visitantes irão concorrer a duas outras obras, uma de cada artista, que serão sorteadas ao final da exposição, bastando assinar o livro de presença.

ramiro r. batista fine art - 2012 - acrylic on canvas 70x90cm
costa araujo fine art - acrylic on canvas - 70x80cm